«Negação de Ulisses e Teseo» (Tradução: João Rasteiro)


(Premer na imaxe para agrandar o tamaño)
Hoxe é o 25 de abril, que en Portugal conmemora a revolução dos cravos. Abril sempre!
O meu relacionamento e simpatía co “povo português” é inmenso, e tamén o é do punto de vista literario. Xa contei aquí como do 15 de febreiro ao 15 de marzo do 2009 estiven en Monsanto e Coimbra dentro do Programa “Poetas em Residência”, que organiza o Grupos de Estudos Angloamericanos da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra e que coordina a profesora Graça Capinha. Nesa altura insistiron en versionar para o português algúns poemas da miña autoría (malia eu non o considerar necesario). O labor realizouno João Rasteiro (Coimbra, 1965), poeta e ensaísta, quen tamén traduciu para o português vários poemas de Harold Alvarado Tenorio, Juan Carlos Garcia Hoyuelos ou Juan Armando Rojas Joo. No blogue de João Rasteiro, nocentrodoarco, pódese ler a súa versión do meu poema «Negación de Ulises e Teseo», que pertence ao libro Equinoccio de primavera (Esquío, 1998). Reproduzo a versión portuguesa e deseguida o video gravado pola AELG (Asociación de Escritores/as en Lingua Galega) no que eu propio fago unha lectura deste poema.
Negação de Ulisses e Teseo
Se alguma vez tivesses que aguardar entre fio
e tecidos, não sejas Penélope que tece
e destece os bordados assim que anoitece.
Ulisses não existe, foi verso fugidio.
Se alguma vez tivesses que aguardar entre fio
e tecidos, não sejas Ariadna que oferece
sair do labirinto mortal a quem a esquece.
Teseo não existe, só sobra o desafio.
Se alguma vez eu tiver de partir como Odiseo
prefiro voltar sempre vencido a Compostela.
Não me importa a derrota se tu me identificas.
Se alguma vez eu tiver de marchar como Teseo
não há-de ser Artemisa fluxo do meu Sarela.
Não me importa ser lama se tu me purificas.
(Tradução: João Rasteiro)

Esta entrada foi publicada en Poesía, Versións ou traducións. Garda a ligazón permanente.

Unha resposta a «Negação de Ulisses e Teseo» (Tradução: João Rasteiro)

  1. Pingback: As crebas » Na revista cultural brasileira Musa Rara. Literatura e Adjacèncias (São Paulo), versionado polo poeta e ensaísta João Rasteiro

Os comentarios están pechados.